Histórico da Associação de Catadores de Material Reciclável de Ijuí - ACATA
Noëlle Lechat, Coordenadora da Incubadora de Economia Solidária da UNIJUÍ

Desde 2003, o jovem Zacarias Ribeiro Camargo, hoje Presidente da ACATA, sonhava em organizar os catadores, pois como gari tinha sido confrontado com a dura realidade destes trabalhadores. Seguindo impulso solidário realizou muitas reuniões com dezenas deles em mais de 7 bairros da cidade de Ijuí, e isto com o apoio de diversas pessoas e entidades da comunidade.

No entanto, foi no dia 1 de junho de 2005, que 22 catadores residentes na zona norte da cidade de Ijuí, mais precisamente nos bairros Luiz Fogliatto, Alvorada e Getúlio Vargas, fundaram uma associação com o nome de Associação dos Catadores de Materiais Recicláveis de Ijuí – ACATA. Mas eles não possuíam absolutamente nada. Era preciso carrinhos para os catadores, e um acordo foi assinado com a Empresa Ferradura que entregou, em sistema de comodato, 8 carrinhos, com a exigência que, em contrapartida, todo o material coletado seria entregue para esta empresa, conforme preço estabelecido em tabela a ser renegociada a cada 2 meses. Decidiram que cada sócio deixaria 7% de sua renda para a Associação.

A primeira diretoria foi eleita em 31 de julho de 2005, pelos 22 sócios, na presença de alguns familiares e de dois professores da UNIJUÍ. A assembléia aconteceu na sede do Bairro Luiz Fogliatto e a eleição foi por aclamação. Nesta ocasião foram entregues para cada sócio, pelo Presidente, jalecos pretos com identificação da ACATA, crachás de identificação e também um par de luvas. Na frente da sede do bairro, os sócios devidamente equipados alinharam-se junto aos 8 carrinhos de tela com a marca da Empresa Ferradura, para tirar fotos.

De lá para cá foram muitas reuniões de discussão, de busca de agregação e de formação. A procura de parcerias foi incessante. Infelizmente a Ferradura, em outubro 2005, teve interdição de uso de um de seus terrenos e foi multada pela Fundação Estadual de Proteção Ambiental - Fepam e fechou até se adequar às novas normas ambientais previstas em lei. Em conseqüência disto, o convênio foi suspenso, deixando os catadores sem opção, a não ser procurar novamente os antigos atravessadores. Estes, por sua vez, passaram a se aproveitar da situação, baixando ainda mais os preços. Os carrinhos , no entanto ficaram à disposição da ACATA em vista da retomada do convênio no futuro, mas muitos estavam estragados e a Associação não tinha dinheiro suficiente para seu conserto.

A ACATA com assessoria da Incubadora de Economia Solidária da UNIJUI buscou apoio junto a ACI, SENAC, COTRIJUÍ e demais entidades, sendo que o CNPJ se fazia indispensável para receber qualquer tipo de ajuda financeira. A Ata de fundação foi registrada no Cartório de Ijuí dia 11 de novembro de 2005, com CNPJ e Estatutos.

As constantes baixas no valor dos materiais recicláveis, ocorridas principalmente em função da desvalorização do dólar e da grande oferta de produtos recicláveis, fizeram com que os catadores tivessem uma perda significativa no montante arrecadado pela venda de seus materiais, fato que se agravava uma vez que a Associação não possui uma prensa, a qual agregaria mais valor às sucatas, nem um terreno para juntar as mesmas.

Era preciso um terreno, um galpão para servir de entreposto, era preciso dinheiro para o concerto dos carrinhos, para o uniforme e as proteções. Era fundamental encontrar mercado ou comprador para os materiais coletados, sensibilizar a comunidade para a separação dos materiais recicláveis e para a acolhida aos catadores em suas casas, edifícios, empresas, apoio do poder público, etc.

Dia 9 de dezembro de 2005, o Presidente da ACATA acompanhado da coordenadora da incubadora da UNIJUÍ, esteve na Secretaria de Serviço Social da Administração Municipal de Ijuí para informar do Registro dos Estatutos da Associação e reiterar a necessidade de um terreno para entreposto do material reciclável desta Associação, como já tinha sido solicitado pela professora coordenadora da Incubadora ao Senhor Prefeito, por ocasião de uma audiência anterior na presença do Reitor da UNIJUÍ.

Na escola estadual Luiz Fogliatto foram realizadas: a maioria das reuniões, as oficinas de formação e a festa de Natal da ACATA de 2005 que reuniu um grande número de associados e familiares. Esta festa recebeu o apoio de várias entidades entre as quais o sindiloja, a Cotrijui e a UNIJUÍ.

Finalmente, em 18 de janeiro de 2006 O SINDILOJA emprestou sob forma de comodato um terreno, situado a duas quadras da Escola Estadual Luiz Fogliatto. Em início de 2006, a entidade estava a espera da aprovação de um edital do CNPQ que poderá beneficiar a ACATA com recursos financeiros. O projeto tinha sido redigido em parceria com a Incubadora de Economia Solidária da UNIJUÍ e contou com a colaboração de empresários da cidade. Infelizmente o projeto não foi aprovado, apesar de ter recebido o aval do Movimento Nacional dos Catadores de Material Reciclável.

Em fevereiro de 2006 surgiu a proposta de alugar um novo terreno, já que o emprestado pelo Sindilojas não tinha ainda uma estrutura adequada (cerca, galpão etc.). Foi escolhido um terreno no bairro Alvorada que parecia ser um local adequado, pois já era cercado, tinha água, luz e uma casa pequena que podia servir de moradia, porém o aluguel era de R$ 80,00, mais despesas de água e luz, que poderia chegar a R$ 100,00. Para arrecadar fundos, os sócios venderam fichas para um jantar baile. da ACATA no CTG Chão Batido, realizado dia 09 de abril de 2006. As verbas arrecadadas foram para saldar dividas, pagar mensalidades do terreno e arrumar alguns carrinhos. Mas, logo veio a desistência de vários catadores, pois já não havia mais terreno alugado, o preço da sucata era baixo e a maioria dos carrinhos estavam quebrados, uns saíram de Ijuí, outros procuraram outras fontes de renda. No entanto os associados que ficaram tentaram melhorar suas condições de vida e tiveram o apoio de uma assistente social da UNIJUÍ e de seus 4 estagiários. Assim, por exemplo, as associadas Maria Olinda e Sonilda começaram a estudar à noite e ficaram muito satisfeitas. Uma assessora da incubadora entrou em contato com a ONG AVESOL de Porto Alegre, pois ficou sabendo que eles financiam projetos de economia solidária até R$ 5.000,00 a fundo perdido.

Na primeira quinzena de Junho 2006 foi realizada uma Oficina de Associativismo sob a ótica dos relacionamentos humanos desenvolvida com a professora e os alunos do Curso de Serviço Social da Unijuí e uma acadêmica do Curso de Pedagogia. Esta oficina buscou propiciar uma reflexão de forma simples e acessível sobre a importância do grupo afirmar-se como coletivo para buscar alternativas diante do desemprego crescente e da escassez de oportunidades de geração de trabalho e renda. Enfocou também a importância da educação (estudo e qualificação profissional para eles e para seus filhos e família).

A assembléia geral da ACATA aconteceu dia 24 de junho e novos sócios foram incorporados bem como outros desligados.

Os associados foram recolher material reciclável na festa junina do SESC durante os dias 23, 24 e 25 de junho.

Em julho, o projeto, enviado pela assessora à ONG AVESOL de Porto Alegre, para a construção de um galpão de depósito, foi aprovado e houve a liberação de R$ 3.700,00 para esse fim. Em agosto alguns membros da ACATA participaram de um Curso de Formação com Trabalhadores de Empreendimentos Solidários. O objetivo foi de socializar experiências e saberes, produzindo encaminhamentos que qualifiquem os trabalhadores na e pela sua ação e identificar parcerias e apoios necessários para os mesmos.

Dia 27 de agosto, o Lions Clube promoveu um almoço com, entre outros, o objetivo de angariar fundos para a ACATA e divulgá-la junto a sociedade ijuiense. Em 8 de setembro, Zacarias e Maria Olinda participaram em Porto Alegre de um curso organizado pela Avesol sobre reciclagem. Dia 15 do mesmo mês, o Lions entregou os R$ 700,00 do almoço para a ACATA, durante a II FECONSOL no Campus da UNIJUÍ. Este dinheiro foi utilizado para completar a verba da AVESOL para construção do galpão.

Dia 25 de setembro, o Presidente Zacarias palestrou para 40 professores estaduais sobre a necessidade da reciclagem e da renda que este material propicia para as famílias de catadores, no curso Escola Sustentável, organizado pela 36 CRE- Coordenadoria Regional de Educação.

O mês de outubro foi consagrado à construção do galpão da ACATA, depois foi feita a instalação da luz que, infelizmente, teve sua fiação roubada já na noite seguinte. Os meses de novembro e dezembro foram de muitas discussões para saber como ia funcionar o galpão, quem ia fazer a guarda à noite, quem ia receber a sucata durante o dia. O galpão não tinha balança e nenhum dinheiro para remunerar os sócios que ficariam nele. Os carrinhos estavam novamente quase todos quebrados.

Dia 21 de dezembro de 2006, o SESC de Ijuí organizou uma campanha de arrecadação de latinhas. Nesta data, fez a entrega do material arrecadado. A ACATA também coletou as latinhas na festa de Natal da UNIJUÍ no dia 28.

Com o ano de 2007 os sócios sobreviventes da ACATA se solidarizaram e iniciaram o trabalho no galpão, sem nenhuma remuneração, nem balança própria, colocando até do seu dinheiro à disposição para pagar as primeiras compras. A família do seu João, um dos catadores associado, se mudou para a peça do galpão, assumindo a guarda noturna.

Nos mês de janeiro e fevereiro a ACATA participou ativamente da preparação do Feirão da Solidariedade que aconteceu na Escola Estadual Luiz Fogliatto dia 10 de março de 2007. Neste evento houve a participação de 20 entidades arrecadando roupas e outros materiais, organizando o evento e atuando durante o dia do evento e mais de mil pessoas realizaram compras. O dinheiro arrecadado foi destinado à compra de uma balança e o resto será usado na construção de um banheiro já que hoje o galpão dispõe de água.